Se esta obra é de homens, se desfará, mas, se é do Altíssimo, não podereis desfazê-la. (Actos 5:38,39).


"Aquele que deseja conhecer a verdade, deve estar disposto a aceitar tudo o que ela revela. Não pode ter nenhuma transigência com o erro. Ser vacilante e morno para com a verdade, é preferir as trevas do erro e a ilusão satânica." O Desejado de Todas as Nações, (cap. O Sermão da Montanha) pág. 257.

Lê o artigo: "Novas Verdades", (http://1assimdizosenhor.blogspot.com/2011/02/novas-verdades.html
)

sábado, 15 de maio de 2010

Quem são os dois ungidos, que estão diante do Senhor de toda a terra?

A misteriosa obra dos dois ungidos, as duas oliveiras, que estão diante do Senhor de toda a terra, os quais vertem o Espírito Santo sobre o povo do Altíssimo. Quem são eles, e qual é, verdadeiramente, a sua missão?



"1 E o anjo que falava comigo voltou, e despertou-me, como a um homem que é despertado do seu sono,
2 E disse-me: Que vês? E eu disse: Olho, e eis que vejo um castiçal todo de ouro, e um vaso de azeite no seu topo, com as suas sete lâmpadas; e sete canudos, um para cada uma das lâmpadas que estão no seu topo.
3 E, por cima dele, duas oliveiras, uma à direita do vaso de azeite, e outra à sua esquerda.
4 E respondi, dizendo ao anjo que falava comigo: Senhor meu, que é isto?
5 Então respondeu o anjo que falava comigo, dizendo-me: Não sabes tu o que é isto? E eu disse: Não, senhor meu.
6 E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra de YAHUH a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz YAHUH dos Exércitos.
7 Quem és tu, ó grande monte? Diante de Zorobabel tornar-te-ás uma campina; porque ele trará a pedra angular com aclamações: Graça, graça a ela.
8 E a palavra de YAHUH veio novamente a mim, dizendo:
9 As mãos de Zorobabel têm lançado os alicerces desta casa; também as suas mãos a acabarão, para que saibais que YAHUH dos Exércitos me enviou a vós.
10 Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas? Pois esses sete se alegrarão, vendo o prumo na mão de Zorobabel; esses são os sete olhos de YAHUH , que percorrem por toda a terra.
11 Respondi mais, dizendo-lhe: Que são as duas oliveiras à direita e à esquerda do castiçal?
12 E, respondendo-lhe outra vez, disse: Que são aqueles dois ramos de oliveira, que estão junto aos dois tubos de ouro, e que vertem de si azeite dourado?
13 E ele me falou, dizendo: Não sabes tu o que é isto? E eu disse: Não, senhor meu.
14 Então ele disse: Estes são os dois ungidos, que estão diante do Senhor de toda a terra." Zac. 4:1-14.

E eu pergunto:
  • Quem são estes dois ungidos, que estão diante do Senhor de toda a terra?
  • O quê ou quem  são os sete olhos do Altíssimo?

Claramente podemos compreender que o contexto imediato desta visão se refere à reconstrução do templo chefiada por Zorobabel. Podemos também aperceber-nos que esta é também uma mensagem de encorajamento para Zorobabel, e para o povo em geral, no sentido de terem a certeza da benção do Altíssimo em tão grandiosa obra, face aos problemas e dificuldades que os ameaçavam.

"Imediatamente após a visão que Zacarias teve de Josué e do anjo, que ofereceu ao sumo sacerdote um testemunho pessoal para encorajamento seu e de todo o povo do Altíssimo, o profeta recebeu outro testemunho pessoal em relação à obra de Zorobabel."  A Verdade Sobre os Anjos, pág. 150, (Review and Herald, 16 de janeiro de 1908).

Não nos iremos deter nesta questão, mas nas duas primeiras questões que apresentei. Assim passo a apresentar algumas frases de Ellen White que nos irão ajudar a compreender o texto e responder às mesmas:

"Os ungidos que estão diante do Senhor de toda Terra mantêm a posição uma vez outorgada a Satanás como querubim cobridor. Por intermédio dos seres santos que circundam Seu trono,  YAHUH  mantém constante comunicação com os habitantes da Terra." A Verdade Sobre os Anjos, pág. 150, (Review and Herald, 20 de julho de 1897).

"À pergunta de Zacarias, disse o anjo: "Eu sou Gabriel, que assisto diante do Altíssimo, e fui enviado a falar-te e dar-te estas alegres novas." Luc. 1:19. Quinhentos anos antes, Gabriel dera a conhecer a Daniel o período profético que se devia estender até à vinda do Ungido. (...)
As palavras do anjo: "Eu sou Gabriel, que assisto diante do Altíssimo", mostram que ocupa posição de elevada honra, nas cortes celestiais. Quando viera com uma mensagem para Daniel, dissera: "Ninguém há que se esforce comigo contra aqueles, a não ser Miguel [Yahushua], vosso príncipe." Dan. 10:21." A Verdade Sobre os Anjos, pág. 152.

Então, podemos concluir que é por meio dos dois ungidos mencionados em Zacarias, que "mantêm a posição uma vez outorgada a Satanás como querubim cobridor", e de todos os "seres santos que circundam Seu [do Altíssimo] trono", que o Altíssimo "mantém constante comunicação com os habitantes da Terra". Um destes ungidos é claramente o anjo Gabriel, o qual assiste diante do Altíssimo, e está em posição de honra logo depois de Yahushua:

"Maravilhoso pensamento - que o anjo que ocupa, em honra, o lugar logo abaixo do Filho do Altíssimo, é o escolhido para revelar os desígnios do Altíssimo a homens pecadores." Desejado de Todas as Nações, pág. 71 (cap.10, parágrafo 9).

Iremos agora aprofundar-nos em relação ao impressionante facto de ser por meio dos anjos que o Altíssimo mantém comunicação connosco. Podemos até perguntar: Mas não é por meio do Espírito Santo, o próprio Espírito do Pai e de Seu Filho (Mat. 28:20; Jo. 14: 16, 23, 28; Rm. 8:2,9,11) que o Altíssimo mantém comunicação  connosco?!

Para respondermos a esta questão, e compreendermos como estes dois factos estão interligados, vamos analisar determinados pontos da visão que estamos a estudar à luz daquilo que Ellen White escreveu:
"O óleo é símbolo do Espírito Santo. Assim é representado o Espírito na profecia de Zacarias. (...)
Das duas oliveiras o dourado óleo era vazado pelos tubos de ouro nas taças do castiçal, e daí nas lâmpadas de ouro que iluminavam o santuário. Assim, dos santos que estão na presença do Altíssimo, Seu Espírito é comunicado aos que são consagradas para o Seu serviço. A missão dos dois ungidos é comunicar ao povo do Altíssimo aquela graça celestial que, somente, pode fazer de Sua palavra uma lâmpada para os pés, e uma luz para o caminho. "Não por força, nem por violência, mas pelo Meu Espírito, diz YAHUH dos Exércitos." Zac. 4:6. (...)

Mas ninguém pode dar aquilo que não possui. Na obra do Altíssimo, a humanidade nada pode originar. Ninguém pode por seus próprios esforços tornar-se para o Altíssimo um portador de Luz. Vertido pelos mensageiros celestes nos tubos de ouro, para ser conduzido do áureo vaso às lâmpadas do santuário, o dourado óleo produzia luz contínua, clara e brilhante. O amor do Altíssimo, continuamente transmitido ao homem, é que o habilita a comunicar luz. O áureo óleo do amor corre livremente no coração de todos os que pela fé estão unidos ao Altíssimo, para resplandecer novamente em boas obras, em serviço real e sincero para Ele. (...)

Na grande e incomensurável dádiva do Espírito Santo estão contidos todos os recursos celestes. Não é por qualquer restrição da parte do Altíssimo que as riquezas de Sua graça não afluem para os homens, neste mundo. Se todos recebessem de bom grado, todos seriam cheios de Seu Espírito. (...)

Toda pessoa tem o privilégio de ser um conduto vivo, pelo qual o Altíssimo pode comunicar ao mundo os tesouros de Sua graça, as insondáveis riquezas do Ungido. Nada há que o Ungido mais deseje do que agentes que representem ao mundo Seu Espírito e caráter. Não há nada de que o mundo mais necessite que da manifestação do amor do Salvador, mediante a humanidade. Todo o Céu está à espera de condutos pelos quais possa ser vertido o óleo santo para ser uma alegria e bênção para os corações humanos." Parábolas de Jesus, págs. 407, 408, 418, 419.

"A contínua concessão do Espírito Santo à igreja é representada pelo profeta Zacarias por meio de outro símbolo, que contém uma admirável lição de encorajamento para nós. (...)

Das duas oliveiras, o óleo dourado era conduzido através de tubos de ouro, para o bojo do castiçal e daí para as lâmpadas de ouro que iluminavam o santuário. Da mesma sorte, dos santos que permanecem na presença do Altíssimo, Seu Espírito é transmitido aos instrumentos humanos que se consagram ao Seu serviço. A missão dos dois ungidos é comunicar luz e poder ao povo do Altíssimo. É para receber bênção para nós que eles estão na presença do Altíssimo. Como as oliveiras esvaziam-se nos tubos de ouro, assim procuram os mensageiros celestes comunicar tudo que do Altíssimo receberam. Todo o tesouro celestial aguarda que o peçamos e recebamos; e, à medida que recebemos a bênção, devemos naturalmente transmiti-la a outros. É assim que as lâmpadas sagradas são alimentadas, e a Igreja se torna portadora de luz no mundo. (...)

Se com o Altíssimo temos andado na comunhão do Espírito, é porque O procuramos diariamente pela fé. Das duas oliveiras é-nos comunicado o óleo que verte pelo tubos de ouro. Mas os que não cultivam o espírito e o hábito de oração não podem esperar receber o áureo azeite da bondade, paciência, longanimidade, delicadeza e amor." Testemunhos Para Ministros, págs. 509-511.
 
Desta forma, podemos concluir que é mediante o ministério dos anjos, em 1º lugar dos dois ungidos, "as duas oliveiras", e seguidamente de outros anjos, que é comunicado, transmitido, o Espírito do Altíssimo ao Seu povo. Esse poder, essa benção, essa graça, esse dourado óleo, o Espírito do Altíssimo, é-nos ministrado por meio dos anjos, a fim de formarmos um carácter puro e santo. Cada um de nós está representado no candelabro, pois este, além de ser um símbolo do Ungido, a luz do mundo, é também um símbolo do povo do Altíssimo que por seu testemunho é (ou deveria ser) também a luz e o sal da terra (Jo. 8:12; Mat. 5:13,14).

É impossível para nós compreendermos todo este assunto, devido às nossas limitações humanas, e não devemos ir além daquilo que está revelado ou escrito sobre a natureza do Espírito Santo:

"A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque YAHUH não lho revelou. Com fantasiosos pontos de vista, podem-se reunir passagens da Escritura e dar-lhes um significado humano; mas a aceitação desses pontos de vista não fortalecerá a igreja. Com relação a tais mistérios - demasiado profundos para o entendimento humano - o silêncio é ouro." Atos dos Apóstolos, pág. 52.

No entanto ainda não foi respondida a 2ª questão: O quê ou quem são os sete olhos do Altíssimo que percorrem toda a terra?

O pronome demonstrativo "esses" relativamente aos "sete" (v. 10), pressupõe uma referência a algo que já se falou ou mencionou antes. Mas sete quê?

"Olho, e eis que vejo um castiçal todo de ouro, e um vaso de azeite no seu topo, com as suas sete lâmpadas; e sete canudos, um para cada uma das lâmpadas que estão no seu topo." (v. 2)

"Esses sete" se refere aos sete canudos, ou braços que partem do "vaso de azeite no seu topo" que levam o azeite até às lâmpadas. Mas que quer isto dizer? Que significam esses sete canudos, e que como podem eles ser os sete olhos do Altíssimo que percorrem toda a terra?

Acredito que os seguintes versos de Apocalipse nos poderão ajudar a encontrar a resposta:

"João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça a vós e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir; e da dos sete espíritos que estão diante do seu trono; E da parte de Yahushua o Ungido, que é a fiel testemunha";

"E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. (...)

O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas.";

"Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Isto diz aquele que tem os sete Espíritos do Altíssimo e as sete estrelas: Sei as tuas obras; que tens nome de que vives, e estás morto.";

"Do trono saem relâmpagos, vozes e trovões. Diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, que são os sete Espíritos do Altíssimo";

"Vi no meio do trono e das quatro criaturas viventes, e no meio dos anciãos, um Cordeiro em pé, como se tivesse sido morto, tendo sete chifres e sete olhos, que são os sete Espíritos do Altíssimo, enviados por toda a terra.";
  
"E vi os sete anjos, que estavam diante de Deus, e foram-lhes dadas sete trombetas.";

"E os sete anjos que tinham as sete pragas saíram do templo, vestidos de linho puro e resplandecente, e cingidos com cintos de ouro pelos peitos.";

"E ouvi, vinda do templo, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: Ide, e derramai sobre a terra as sete taças da ira de Deus." Apo. 1:4,5,16,20; 3:1; 4:5; 5:6;8:2;15:6;16:1.


Do vaso de azeite, e já vimos que o azeite é um símbolo do Espírito do Altíssimo,  partem  os sete braços ou canudos, que simbolizam os sete Espíritos do Altíssimo, que se estendem até às sete lâmpadas, isto é, percorrem toda a terra, pois os filhos do Altíssimo estão em toda a parte. Yahushua, o Cordeiro, que ordena a João escrever aos anjos das igrejas,  tem "sete olhos, que são os sete Espíritos do Altíssimo, enviados por toda a terra". Ou seja, o Espírito Santo,  não é uma 3ª pessoa divina, mas é uma referência  à presença do Altíssimo, às bençãos divinas que nos são comunicadas por meio dos anjos, primeiramente dos dois ungidos, entre os quais Gabriel, e depois, dos 7 espíritos ou anjos  específicos (Hb. 1:13,14) que estão perante o trono do Altíssimo, simbolizados nos 7 braços do candelabro, e finalmente por meio dos anjos que são comissionados a cada Filho do Altíssimo. Como está escrito, os 7 olhos de Yahushua são os 7 espíritos que percorrem toda a terra, ou seja o Espírito do Pai e do próprio Yahushua,  a Sua omnipresença e poder, em cada um de nós (Jo.14:23), Seu povo, mas por meio dos anjos.

Possamos nós dispor-nos a recebê-lo, pois só assim poderemos terminar a obra e iluminar a terra com a mensagem dos 3 anjos. Por outro lado assim como as dificuldades surgidas diante de Zorobabel na reconstrução do templo de Jerusalém foram desfeitas - "Quem és tu, ó grande monte? Diante de Zorobabel tornar-te-ás uma campina" - assim também hoje, que tudo o que está impedindo o povo do Altíssimo de terminar a obra evangelística, seja desfeito pelo "meu Espírito, diz YAHUH dos Exércitos".   

Amén!

Sem comentários:

Enviar um comentário

A ansiedade é cega, e não pode discernir o futuro; mas o Filho do Altíssimo vê o fim desde o começo. Em toda dificuldade tem Ele um caminho preparado para trazer alívio. Nosso Pai celestial tem mil modos de providenciar em nosso favor, modos de que nada sabemos. Os que aceitam como único princípio tornar o serviço e a honra do Altíssimo o supremo objetivo, hão de ver desvanecidas as perplexidades, e uma estrada plana diante de seus pés. (DTN, pág. 273).


"Conquanto Yahuh possa ser justo, e contudo justifique o pecador pelos méritos de Seu Filho, nenhum homem pode trajar-se com os vestidos da justiça de Yahushua, enquanto praticar pecados conhecidos ou negligenciar deveres conhecidos. O Altíssimo requer a completa entrega do coração, antes que a justificação tenha lugar; e a fim de o homem reter a justificação, deve haver contínua obediência, mediante fé viva e ativa que opera por amor e purifica a alma." - Review and Herald, 4 de novembro de 1890.







Os profetas e os apóstolos não aperfeiçoaram o carácter cristão por um milagre. Eles usaram os meios que YAHUH colocou ao seu alcance, e todos os que empreenderem um esforço semelhante assegurarão um resultado semelhante. (Spirit of Prophecy, vol. IV, cap. 22, pág. 305).


Precisam-se...

"A maior necessidade do mundo é a de homens - homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus."


Ellen White, Educação, pág. 57.




É intuito do Pai Celeste preservar entre os homens, mediante a observância do sábado, o conhecimento de Si mesmo. Seu desejo é que o sábado nos aponte a Ele como o único Soberano verdadeiro, e pelo conhecimento dEle possamos ter vida e paz. Ellen G. White, 3 TS, 16 (1900), Eventos Finais, 68.