Se esta obra é de homens, se desfará, mas, se é do Altíssimo, não podereis desfazê-la. (Actos 5:38,39).


"Aquele que deseja conhecer a verdade, deve estar disposto a aceitar tudo o que ela revela. Não pode ter nenhuma transigência com o erro. Ser vacilante e morno para com a verdade, é preferir as trevas do erro e a ilusão satânica." O Desejado de Todas as Nações, (cap. O Sermão da Montanha) pág. 257.

Lê o artigo: "Novas Verdades", (http://1assimdizosenhor.blogspot.com/2011/02/novas-verdades.html
)

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Novas Verdades

O profeta do Altíssimo declara que nos últimos dias o conhecimento devia aumentar. Há novas verdades a ser reveladas ao investigador humilde. Os ensinamentos da palavra do Altíssimo devem ser desembaraçados de erros e superstição com os quais tem sido entravada.


Ellen White escreveu claramente acerca da importância de nos libertarmos dos erros doutrinários em que nossos pais caminharam, afirmando sobre a necessidade de continuar a obra da reforma. Isto demonstra que ela compreendia que ainda havia erros que precisavam ser banidos do meio dos adventistas do sétimo dia, e que havia coisas que precisavam de ser clarificadas. Por outro lado, ela apela para o nosso dever de aceitar a luz da verdade em toda a sua dimensão, caso contrário seremos envoltos em trevas e rejeitados pelo Altíssimo .

As frases seguintes encontram-se em Spirit of Profecy, vol. 4 (1884), pág. 186, par. 2 e 3. Quero partilhá-las, pois além de serem sumamente interessantes e apropriadamente aplicáveis ao tempo em que vivemos, não as encontrei no actual livro O Grande Conflito.

“We shall not be accepted and honored of God in doing the same work that our fathers did. We do not occupy the position which they occupied in the unfolding of truth. In order to be accepted and honored as they were, we must improve the light which shines upon us, as they improved that which shone upon them; we must do as they would have done, had they lived in our day. Luther and the Wesleys were reformers in their time. It is our duty to continue the work of reform. If we neglect to heed the light, it will become darkness; and the degree of darkness will be proportionate to the light rejected. {4SP 186.2}

The prophet of God declares that in the last days knowledge shall be increased. There are new truths to be revealed to the humble seeker. The teachings of God’s word are to be freed from the errors and superstition with which they have been encumbered. Doctrines that are not sanctioned by the Scriptures have been widely taught, and many have honestly accepted them; but when the truth is revealed, it becomes the duty of every one to accept it. Those who allow worldly interests, desire for popularity, or pride of opinion, to separate them from the truth, must render an account to God for their neglect. {4SP 186.3}”

TRADUÇÃO: “Nós não seremos aceites e honrados pelo Altíssimo, ao fazer a mesma obra que nossos pais fizeram. Nós não ocupamos a posição que eles ocuparam na revelação da verdade. Para sermos aceites e honrados como eles foram, temos de aproveitar a luz que brilha sobre nós, como eles aproveitaram a que brilhou sobre eles; devemos fazer como eles teriam feito, se tivessem vivido em nossos dias. Lutero e os Wesley foram reformadores em seu tempo. É nosso dever continuar a obra de reforma. Se deixarmos de prestar atenção à luz, ela se tornará em trevas e o grau de escuridão será proporcional à luz rejeitada.

O profeta do Altíssimo  declara que nos últimos dias o conhecimento devia aumentar. Há novas verdades a ser reveladas ao investigador humilde. Os ensinamentos da palavra do Altíssimo devem ser desembaraçados de erros e superstição com os quais tem sido entravada. Doutrinas que não são sancionadas pelas Escrituras têm sido largamente ensinadas, e muitos as têm aceitado honestamente; mas quando a verdade é revelada, torna-se o dever de cada um aceitá-la. Aqueles que permitem que os interesses mundanos, desejo de popularidade, ou orgulho de opinião, os separem da verdade, terão de prestar contas ao Altíssimo por sua negligência.”

James White, marido e fiel companheiro de Ellen White, fala-nos acerca de alguns erros abandonados, após terem recebido mais luz, no tempo posterior ao desapontamento. Determinadas frases que ele escreveu, publicadas anteriormente ao tempo em que sua esposa escreveu as frases citadas acima, demonstram haver concordância não só entre os dois mas também que, além dele, outros compreenderam que entre os erros fundamentais aceites pelos protestantes e até mesmo pela maioria dos adventistas, estava a trindade. Ele realça ainda a importância de se continuar a reformar, a fim de livrar a igreja de erros anti-escriturísticos, nomeando também a reforma de Martinho Lutero:

"Como erros fundamentais, nós poderíamos classificar com este falso Sábado [o Domingo] outros erros que os protestantes trouxeram da igreja católica, como o batismo por aspersão, a trindade, a consciência dos mortos e o tormento eterno. A multidão que agarrou estes erros fundamentais, fez isto ignorantemente, sem dúvida; mas pode isto ser suposto, que a igreja do Ungido levará junto de si estes erros até às cenas do julgamento que irromperão sobre  o mundo? Nós não acreditamos.” Review and Herald , 12 de Setembro de 1854, vol. 6, nº5, pág. 36, par. 7.

“O “mistério da iniquidade” começou a operar na igreja nos dias de Paulo. Por último, pôs de parte a simplicidade do evangelho, e corrompeu a doutrina do Ungido, e a igreja foi para o deserto. Martinho Lutero, e outros reformadores, surgiram na força do Altíssimo, e com a Palavra e o Espírito, fizeram grandes avanços na Reforma. A grande falta que podemos encontrar na Reforma é, que os Reformadores pararam de reformar. Se eles tivessem continuado em frente, até terem deixado para trás o último vestígio do papado, tal como a imortalidade natural, o batismo por aspersão, a trindade, a guarda do domingo, e a igreja agora estaria livre de erros anti-escriturísticos.” Review and Herald, 7 de Fevereiro de 1856, vol. 7, no. 19, pág. 148, par. 22.

Reparem bem que Tiago White não disse eu, mas “Nós não acreditamos”!

Ele não estava sozinho. Entre outros, tinha sua esposa ao seu lado. “Na assembléia geral de crentes na verdade presente, realizada em Sutton, Vermont, em Setembro de 1850” Ellen White teve uma visão anti-trinitária:

Vi um trono, e assentados nele estavam o Pai e o Filho. Contemplei o semblante de Yahushua e admirei Sua adorável pessoa. Não pude contemplar a pessoa do Pai, pois uma nuvem de gloriosa luz O cobria. Perguntei a Yahushua se Seu Pai tinha a mesma aparência que Ele. Yahushua disse que sim, mas eu não poderia contemplá-Lo, pois disse: “Se uma vez contemplares a glória de Sua pessoa, deixarás de existir.Primeiros Escritos, pág. 54.
Ou seja, se entre o pequeno grupo de adventistas que procuraram estudar mais profundamente as escrituras depois de 1844, – liderado por Tiago White e sua esposa, Ellen White, e José Bates – avançando segundo a luz que lhes era concedida, a trindade foi considerada erro anti-escriturístico, quer dizer então que uma nova concepção da divindade tomou lugar entre aqueles que se tornariam mais tarde os adventistas do sétimo dia, sendo um dos seus marcos ou reformas.

“Aqueles que procuram remover os velhos marcos, não estão retendo firmemente; eles não estão se lembrando de como receberam e ouviram. Os que tentam introduzir teorias que removeriam os pilares de nossa fé quanto ao santuário ou quanto à personalidade do Altíssimo ou do Ungido, estão agindo como cegos. Estão procurando introduzir incertezas e deixar o povo do Altíssimo à mercê das ondas, sem uma âncora.” Manuscript Release, 760, págs. 9, 1905 (Este manuscrito encontra-se separado dos restantes no site http://egwwritings.org/).

Esta interessantíssima frase de Ellen White aponta para “os pilares da nossa fé”. Como é que ela poderia falar dos “pilares de nossa” em 1905, se estes não fossem distintivos das crenças dos demais grupos de adventistas?!

Quais eram esses distintivos?!

A verdade sobre o santuário, que revelou também a verdade sobre o sábado entre os 10 mandamentos, e a verdade sobre a personalidade do Altíssimo e do Ungido. Em que é que consistia este último pilar? James e Ellen White respondem-nos. Não existe nenhuma trindade. Existe Pai e Filho, o Altíssimo e Yahushua, o Ungido.

Já imaginaram o que seria o relacionamento de James e Ellen White se a maneira de compreender a divindade fosse diferente?! Como poderiam orar e trabalhar juntos adorando a deuses diferentes? Seria para eles impossível, como é para nós participarmos de um culto à trindade, junto com outros “cristãos”, ainda que professem ser adventistas do sétimo dia, se é que temos consciência da verdade!

Sim, como poderia ela dizer “pilares de nossa fé”, se desde o início (período pós 1844, ou não estaríamos a falar de pilares), ela não concordasse com a posição geral dos pioneiros adventistas do sétimo dia nesse então, os quais eram claramente anti-trinitários?!

Ao falar da personalidade do Altíssimo e do Ungido, não citando nenhuma 3ª pessoa, ela dá uma evidência inequívoca de que a trindade foi desde cedo abandonada entre os humildes pesquisadores da Palavra do Altíssimo, e uma nova compreensão quanto à divindade foi aceite.

Ou seja, essa nova luz da verdade dada aos pioneiros adventistas do sétimo dia, deve permanecer para sempre como uma verdade, e os escritos desses homens devem ser reimpressos em testemunho da verdade:

Identificar a Verdade – Quando o poder do Altíssimo testifica sobre o que é a verdade, aquela verdade permanece para sempre como a verdade. Nenhumas pós-suposições, contrárias à luz que o Altíssimo tem dado, devem ser recebidas. Surgirão homens com interpretações das Escrituras que para eles são a verdade, mas que não são a verdade. A verdade para este tempo, o Altíssimo no-la deu como um fundamento para a nossa fé. Ele próprio nos ensinou o que é verdade. Um surgirá, e ainda outro, com uma nova luz que contradiz a luz que o Altíssimo tem dado pela demonstração de Seu Santo Espírito.

Alguns dos que passaram pela experiência adquirida no estabelecimento desta verdade, ainda estão vivos. O Altíssimo graciosamente preservou suas vidas, para repetirem e repetirem até o fim de suas vidas, a experiência por que passaram tal como fez o apóstolo João, mesmo até ao fim de sua vida. E os porta-estandartes, que caíram na morte, devem falar através da reimpressão de seus escritos. Fui instruída que, deste modo, suas vozes devem ser ouvidas. Eles devem levar avante seu testemunho sobre o que constitui a verdade para este tempo.Preach the Word, pág. 5, (Counsels to Writers and Editors, págs. 31, 32, 1905).

“...Nenhum alfinete deve ser removido no que o Senhor estabeleceu... Encontraríamos nós segurança, em menos do que o Senhor nos tem dado nesses últimos cinquenta anos?” Review and Herald, 25 de maio de 1905, par. 28.

"Quando o homem vier para mudar um alfinete do fundamento que o Altíssimo estabeleceu por seu Espírito Santo, permita que os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falem claramente, e permita que aqueles que estão mortos também falem, re-imprimindo os seus artigos em nossas revistas. Focalize os raios da divina luz que o Altíssimo tem dado, como Ele tem guiado seu povo passo a passo no caminho da verdade. Essa verdade prevalecerá no teste do tempo e da experiência". Manuscript Release, vol. 1, nº 55, (A Warning against False Theories), 24 de Maio de 1905, par. 1.

Mais de 50 anos depois da visão do trono do Altíssimo, Ellen White apresentou novamente uma frase nitidamente anti-trinitária, demonstrando mais uma vez a harmonia existente entre ela e os restantes pioneiros, entre os quais o seu marido, na compreensão deste assunto. Por outro lado, depois de todos esses anos, demonstra bem que a sua compreensão da divindade permaneceu a mesma, após ter compreendido que a trindade era um erro escriturístico:

Não é aos homens que devemos exaltar e adorar, é ao Altíssimo, o único Soberano verdadeiro e vivo, a quem são devidos nosso culto e reverência. (...) Unicamente o Pai e o Filho devem ser exaltados.” Filhos e Filhas de Deus [do Altíssimo], 21 de fevereiro de 1956, pág. 58 (The Youth's Instructor, 7 de julho de 1898).
Repito, a verdade de que “Unicamente o Pai e o Filho devem ser exaltados” deve permanecer para sempre como a verdade. E as verdades expressas pelos pioneiros adventistas nas revistas, devem tornar a ser estudadas e reimprimidas, como medida preventiva para a apostasia. Vale a pena repetir que os pioneiros não acreditavam em trindade de espécie alguma! Antes, pelo contrário, a luz que receberam foi de molde a rejeitarem-na.

No entanto, conforme falaram Ellen White e seu marido, não esqueçamos que existem novas verdades a descobrir, e novas reformas a serem operadas entre os verdadeiros adventistas do sétimo dia. Acredito que assim como para os pioneiros adventistas, o baptismo trinitário era um erro desconhecido, o que não se passa no nosso caso, existam ainda para nós outras descobertas a fazer no campo da verdade!

“Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.” Prov. 4:18.

Não nos podemos calar. Temos de clamar bem aaaaaalto!

Não foi mudado somente “um alfinete do fundamento que o Altíssimo estabeleceu por seu Espírito Santo”, mas os próprios alicerces e pilares! É por isso que a igreja adventista do sétimo dia caiu, e digo-o com lágrimas e angústia dentro de mim…

“Ah, entranhas minhas, entranhas minhas! Estou com dores no meu coração! O meu coração se agita em mim. Não posso me calar; porque tu, ó minha alma, ouviste o som da trombeta e o alarido da guerra.” Jer. 4:19.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A ansiedade é cega, e não pode discernir o futuro; mas o Filho do Altíssimo vê o fim desde o começo. Em toda dificuldade tem Ele um caminho preparado para trazer alívio. Nosso Pai celestial tem mil modos de providenciar em nosso favor, modos de que nada sabemos. Os que aceitam como único princípio tornar o serviço e a honra do Altíssimo o supremo objetivo, hão de ver desvanecidas as perplexidades, e uma estrada plana diante de seus pés. (DTN, pág. 273).


"Conquanto Yahuh possa ser justo, e contudo justifique o pecador pelos méritos de Seu Filho, nenhum homem pode trajar-se com os vestidos da justiça de Yahushua, enquanto praticar pecados conhecidos ou negligenciar deveres conhecidos. O Altíssimo requer a completa entrega do coração, antes que a justificação tenha lugar; e a fim de o homem reter a justificação, deve haver contínua obediência, mediante fé viva e ativa que opera por amor e purifica a alma." - Review and Herald, 4 de novembro de 1890.







Os profetas e os apóstolos não aperfeiçoaram o carácter cristão por um milagre. Eles usaram os meios que YAHUH colocou ao seu alcance, e todos os que empreenderem um esforço semelhante assegurarão um resultado semelhante. (Spirit of Prophecy, vol. IV, cap. 22, pág. 305).


Precisam-se...

"A maior necessidade do mundo é a de homens - homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus."


Ellen White, Educação, pág. 57.




É intuito do Pai Celeste preservar entre os homens, mediante a observância do sábado, o conhecimento de Si mesmo. Seu desejo é que o sábado nos aponte a Ele como o único Soberano verdadeiro, e pelo conhecimento dEle possamos ter vida e paz. Ellen G. White, 3 TS, 16 (1900), Eventos Finais, 68.